Aderência à Matriz Curricular proposta pela Fundação Brasileira de Contabilidade: Uma Análise via Isomorfismo Institucional

Lucivânia Cordeiro Silva, Juliano Almeida de Faria, Laerson Morais Silva Lopes

Resumo


Este trabalho é resultante de uma pesquisa que utilizou como referência a Fundação Brasileira de Contabilidade (FBC), que propõe um currículo para os cursos de Ciências Contábeis do Brasil, através de uma retrospectiva histórica. Ele tem como objetivo mostrar o nível de utilização dessa proposta pelas Instituições de Ensino Superior (IES), através de uma análise do currículo de cada IES e comparando ao da FBC. Justificando-se, portanto, a partir de uma possível contribuição para a melhoria das matrizes curriculares dos cursos e, por conseguinte, da formação dos profissionais contábeis. Essa utilização foi mensurada através da análise dos currículos do curso de Ciências Contábeis de 80 IES, ranqueadas pelo site da Folha de São Paulo entre as primeiras do Brasil e posteriormente com um comparativo feito entre essas matrizes e a proposta da FBC. Os resultados obtidos permitiram observar que o maior nível de utilização encontra-se na região nordeste e o menos na região norte. Em geral, é possível perceber que o currículo fornecido pela FBC tem um nível de utilização de 65,78% no Brasil, sendo as disciplinas mais adotadas das de Perícia, Avaliação e Arbitragem e a menos a de Subvenções, Assistências Governamentais e Contratos de Concessões.

Texto completo:

93-110

Referências


Andrade, Maria Margarida de. (2002). Como preparar trabalhos para cursos de pós graduação: noções práticas. 5 ed. São Paulo, Atlas.

Bacci, J. (2002). Estudo exploratório sobre o desenvolvimento contábil brasileiro: uma contribuição ao registro de sua evolução histórica. Dissertação (Mestrado em Controladoria e Contabilidade Estratégica). Centro Universitário Álvares Penteado, São Paulo, SP.

Brasil. Decreto-Lei n°7.988, de 22 de setembro de 1945. Dispõe sobre o ensino superior de ciências econômicas e de ciências contábeis e atuariais. Diário Oficial da União. Seção 1. 26/09/1945. p. 15297.

Brasil. Decreto nº 5.773, de 09 de maio de 2006. Dispõe sobre o exercício das funções de regulação, supervisão e avaliação de instituições de educação superior e cursos superiores de graduação e sequenciais no sistema federal de ensino. Diário Oficial da União, 10 de maio de 2006. Seção 1, p. 6.

__________. Decreto no. 1339, de 9.01.1905. Declara instituições de utilidade pública a Academia de Comércio do Rio de Janeiro, reconhece os diplomas por ela conferidos, como de caráter oficial; e dá outras providências.

__________. Decreto no. 17329, de 28.05.1926. Approva, o regulamento para os estabelecimentos de ensino technico commercial reconhecidos officialmente pelo Governo Federal.

Buesa, Natasha Young. (2010). A evolução histórica da contabilidade como ramo do conhecimento. Revista Eletrônica Gestão e Negócios, v. 1, n. 1.

Câmara dos Deputados, Google Analytics. Disponível em: http://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1900-1909/decreto-1339-9-janeiro-1905-612623-norma-pl.html . Acesso em 27 de abril de 2016.

Câmara dos Deputados, Google Analytics. Disponível em: http://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1920-1929/decreto-17329-28-maio-1926-514068-republicacao-88142-pe.html . Acesso em 27 de abril de 2016.

Capacchi, Maristela et al. (2007). A prática do ensino contábil no Estado do Rio Grande do Sul: uma análise da grade curricular frente às exigências legais e necessidades acadêmicas. In: Congresso Anpcont I. São Paulo – SP.

Carneiro, Juarez Domingues et al. (2009). Proposta nacional de conteúdo para o curso de graduação em Ciências Contábeis. Brasília: Fundação Brasileira de Contabilidade.

Cervo, Amado Luiz e Silva, Roberto da. (2006). Metodologia Científica. Brasil: Prentice Hall Brasil.

Cooper, Donald R; Schindler, Pamela S. (2003). Métodos de pesquisa em administração. 7ª edição – Porto Alegre: Bookman.

Conselho Nacional de Educação. (2016). Câmara de Educação Superior. Resolução CNE/CES n. 10, de 16 de dezembro de 2004. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Graduação em Ciências Contábeis, bacharelado, e dá outras providências. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/rces10_04.pdf . Acesso em 20 de setembro de 2016.

Conselho Nacional de Educação. (2017). Câmara de Educação Superior. Resolução CNE/CES n. 2, de 18 de junho de 2007. Dispõe sobre carga horária mínima e procedimentos relativos à integralização e duração dos cursos de graduação, bacharelados, na modalidade presencial. Disponível em: < http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/2007/rces002_07.pdf> . Acesso em 15 de fevereiro de 2017.

CRC São Paulo, Google Analytics. (2016). Disponível em: http://www.crcsp.org.br/portal_novo/conheca/historia.htm . Acesso em 10 de março de 2016.

Cytrynowicz, R. (2001). O ensino comercial na origem dos cursos superiores de economia, contabilidade e administração. São Paulo, Revista Álvares Penteado, v. 3, n. 6, p. 37-59, junho.

Diehl, Astor Antônio; Tatim, Denise Carvalho. (2006) Pesquisa em Ciências Sociais aplicadas: métodos e técnicas. São Paulo: Prentice Hall.

Dimaggio, P. J.; Powell, W. W. (2005). A Gaiola de Ferro Revisitada: Isomorfismo Institucional e Racionalidade Coletiva nos Campos Organizacionais. RAE– Revista de Administração de Empresas, v. 45, n. 2, abr-jun.

Folha de São Paulo. (2016) Disponível em http://ruf.folha.uol.com.br/2015/ranking-de-cursos/ciencias-contabeis/ . Acesso em 09 de Maio de 2016.

Gil, Antonio Carlos. (2008). Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. São Paulo: Atlas

Godoy, A. S. (2000) A criação e a consolidação da FECAP - Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado - em São Paulo - no início do século XX. In: I Congresso Brasileiro de História da Educação, 2000, Rio de Janeiro. Programa e Resumos dos Trabalhos do I Congresso Brasileiro de História da Educação. Rio de Janeiro: Sociedade Brasileira de História da Educação, v. 1. p. 178-179.

Graybill, F.; Iver, H.K. e Burdick, R.K. (1998). Applied Statistics, a first course in Inference. Prentice Hall.

Iudícibus, S.(2006) Teoria da Contabilidade. 8ª. ed. São Paulo: Atlas.

Luna, S. V. (2002) Planejamento de pesquisa: uma introdução. São Paulo: EDUC.

Marroni, Carlos Henrique; De Fátima Rodrigues, Alice; Panosso, Alceu. (2013) Panorama histórico do ensino superior da graduação em contabilidade no Brasil-sob a égide normativa. Enfoque: Reflexão Contábil, v. 32, n. 3, p. 1-17.

Martins, Eliseu; Rocha, Welington. (2008). História da Contabilidade. São Paulo: Atlas.

Martins, E.; Silva, A. F.; Ricardino Filho, A. A. (2006). Escola Politécnica: possivelmente o primeiro curso formal de Contabilidade do Estado de São Paulo. Revista Contabilidade e Finanças – USP, São Paulo, n. 42, p.113-122, set. /dez.

Martins, Rosilda Baron. (2005). Metodologia científica: como tornar mais agradável a elaboração de trabalhos acadêmicos. Curitiba: Juruá.

Moreira, Antonio Flavio B. (2001). Currículos e Programas nos Brasil. Campinas, SP: Papirus.

Ott, E.; Pires, C. B. (2010). Estrutura Curricular do Curso de Ciências Contábeis no Brasil Versus Estruturas Curriculares Propostas por Organismos Internacionais: Uma Análise Comparativa. Revista Universo Contábil, FURB, Blumenau, v. 6, n.1, p. 28-45, jan./mar.

Peleias, I.; Bacci, J. (2004). Pequena Cronologia do Desenvolvimento Contábil no Brasil: Os Primeiros Pensadores, a Padronização Contábil e os Congressos Brasileiros de Contabilidade. Revista Administração On Line, Vol.5, No.3, p.39–54.

Peleias, Ivam Ricardo et al. (2007). Evolução do ensino da contabilidade no Brasil: uma análise histórica. Revista Contabilidade & Finanças, v. 18, n. spe, p. 19-32.

Perovano, Dalton Gean. (2014). Manual de Metodologia Científica para a Segurança Pública e Defesa Social. Curitiba: Juruá.

Pfaltzgraff, Rogério. (1956). Aspectos científicos da Contabilidade. Rio de Janeiro: Livraria Tupã, 240 p.

Ricardino, Álvaro. (2001) A metafísica da contabilidade comercial e a história das aulas de comércio. In: Congresso USP de Controladoria e Contabilidade, 1, São Paulo: Anais do seminário. CD-ROM.

Sá, Antônio Lopes de. (1997). História geral e das doutrinas da contabilidade. São Paulo: Atlas, SAES, F. A. M..

Santos, A. C.; Domingues, M. J. C. S.; Ribeiro, M. J. (2013) Nível de Similaridade das Matrizes Curriculares dos Cursos de Ciências Contábeis das Instituições Paranaenses Listadas no MEC, ao Currículo Mundial. ReCont: Registro Contábil – Ufal – Maceió/AL, Vol. 4, p. 105-127, set/dez.

Schmidt, P. (2000) História do pensamento contábil. Porto Alegre: Bookman.

Schmidt, P; Santos, José Luiz dos. (2008). História da Contabilidade. São Paulo: Atlas.

Senado Federal.(2016). Disponível em http://legis.senado.gov.br/legislacao/ListaPublicacoes.action?id=27880 . Acesso em 27 de Abril.

Soares, Sandro Vieira et al. (2011). Evolução do currículo de Contabilidade no Brasil desde 1809. Revista Catarinense da Ciência Contábil, v. 10, n. 30, p. p. 27-42.

Universidades Definição. (2016). Disponível em http://portal.mec.gov.br/component/content/?view=127:perguntas-frequentes-911936531&id=116:qual-e-a-diferenca-entre-faculdades-centros-universitarios-e-universidades Acesso em 27 de Junho.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.