BALANÇO PATRIMONIAL - Análise sob a perspectiva do Pronunciamento Técnico n°26 – Apresentação das Demonstrações Contábeis

Karina Silva, Carlos França

Resumo


O presente artigo trata acerca dos pontos relevantes da nova estrutura do demonstrativo contábil-financeiro - Balanço Patrimonial, a partir da vigência do CPC 26, frente as inovações surgidas com o processo de convergência da contabilidade brasileira aos padrões internacionais. O processo de abertura da economia no mundo, via globalização, tornou necessário que governos e empresas adequassem seus atos normativos, para permitir a padronização das normas contábeis. No âmbito brasileiro, o surgimento do Comitê de Pronunciamentos Contábeis e a vigência das leis n. 11.638/07 e 11.941/09, incorporaram na contabilidade brasileira uma série de mudanças. Neste contexto, por meio da pesquisa aplicada, sob o aspecto de abordagem qualitativa e explicativa, buscou-se analisar na forma documental, as principais mudanças introduzidas pelo CPC 26, frente ao Balanço Patrimonial. Assim, as principais contribuições notáveis no Balanço Patrimonial, a partir dos achados de pesquisa foram: A inclusão do caráter discricionário em relação a nomenclaturas das subcontas presentes no Balanço Patrimonial, estando passíveis a adequação em conformidade com a atividade desempenhada pela Organização; Notável melhoria por parte dos usuários da informação contábil acerca do Balanço Patrimonial, visto que tornou-se visível a aplicação pratica das características de melhorias da informações contábil; e, a leitura do Balanço Patrimonial tem-se tornado única em nível mundial, proporcionando que os usuários da informação contábil, em qualquer parte do mundo, possam analisar a situação das empresas, dentro de um padrão uniforme.


Texto completo:

22-42

Referências


BARROS, A. J. S; LEHFELD, N.A.S. Fundamentos de metodologia: um guia para a iniciação científica. 2. ed. São Paulo: Makron Books, 2000.

BRASIL. Lei n° 6.404, de 15 de dezembro de 1976. Dispõe sobre as Sociedades por Ações. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 1976, 17 de dezembro de 1976. Seção 1, p. 1 (suplemento).

______. Lei n° 11.638, de 28 de dezembro de 2007. Altera e revoga dispositivos da Lei no 6.404, de 15 de dezembro de 1976, e da Lei no 6.385, de 7 de dezembro de 1976, e estende às sociedades de grande porte disposições relativas à elaboração e divulgação de demonstrações financeiras. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 2007, 28 de dezembro de 2007. Seção 1, p. 2 (edição extra).

______. Lei n° 11.941, de 27 de maio de 2009. Altera a legislação tributária federal relativa ao parcelamento de débitos tributários, etc. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 2009, 28 de maio de 2009. Seção 1, p. 3.

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS. Pronunciamento técnico CPC 26, de 15 de dezembro de 2011. Apresentação das Demonstrações Contábeis. Disponível em: . Acesso em: 11.09.2016.

______. Pronunciamento Técnico CPC 00, de 15 de dezembro de 2011. Estrutura Conceitual para Elaboração e Divulgação de Relatório Contábil-Financeiro. Disponível em: . Acesso em 11.09.2016.

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE. Resolução n° 1.055, de 07 de outubro de 2005. Cria o Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC). Diário Oficial da União, Brasília, DF, 2005, 24 de outubro de 2005. Seção 3, p. 24.

CREPALDI, A. S. Contabilidade gerencial: teoria e prática. 4. ed. São Paulo: Atlas, 1998.

FERRARI, L. E. Contabilidade Geral: Teoria e 1.000 questões. 13. ed. rev. Niterói, RJ: Impetus, 2013.

GOLDENBERG, M. A arte de pesquisar: como fazer pesquisa qualitativa em Ciências Sociais. 8. ed. Rio de Janeiro: Record, 2004.

IUDÍCIBUS, S; MARION, J. C. Contabilidade para Não Contadores. 1. ed. São Paulo: Atlas, 2000.

JINZENJI, N. M. Lei nº 11.638 de 2007, a nova lei contábil. Revista Brasileira de Contabilidade, Brasília, n. 169, p.7-9, janeiro/fevereiro 2008.

LANGONI, C. A. F. Uma Visão da Contabilidade no Brasil. Informativo do CRC – ES, junho 2010.

LEMES, S; CARVALO, N. Contabilidade internacional para a graduação: textos, estudos de casos e questões de múltipla escola. São Paulo: Atlas, 2010.

MARION, J. C. Contabilidade Empresarial. 16. ed. São Paulo: Atlas, 2012.

SÁ, A. L. T. de. A importância das novas regras contábeis nas micro e pequenas empresas. 2010. Disponível em: . Acesso em: 02.11.2016.

SANTOS, Luiz José dos; SCHIMIDT, Paulo. Contabilidade Geral. 7. ed. São Paulo: Atlas, 2011.

SANTOS, Lins; et al. Estudo comparativo do tratamento contábil dos prejuízos não realizados intercompanhias na consolidação nas normas brasileiras, internacionais e nos US-GAAP. Revista Brasileira de Contabilidade, Brasília, n. 183, p. 95-109, maio/junho 2010.

SCHMIDT, P. Harmonização das demonstrações contábeis brasileiras às normas internacionais de contabilidade. 2010, 18 p. Artigo de especialização em Direito Tributário, apresentado a Universidade do Rio Grande do Sul. Disponível em: < http://www.ufrgs.br/direitotributario/portaarqiv/Artigo%20IASxPFC.pdf>. Acesso em: 01.10.2016.

SECO, M.G. Contabilidade Geral para Analista Judiciário do TRF 3: Balanço Patrimonial. Brasília: Ponto dos Concursos, 2015.

SIENA, O. Metodologia da pesquisa científica: elementos para elaboração e apresentação de trabalhos acadêmicos. Porto Velho: [s.n.], 2007, 200 p.

VILLELA, M. V. E. Uma reflexão sobre a necessidade de harmonização contábil mundial - baseada em uma comparação entre as normas de business combination do IASB, do FASB e do Brasil. Revista Brasileira de Contabilidade, Brasília, n. 164, p.23-35, março/abril 2007.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.